Cavaleiros do Zodíaco


Cavaleiros do Zodíaco de Masami Kurumada.

Gênero=Shonen, mitologia, aventura e fantasia.

Enredo

A cada 200 anos (em média), Atena, a deusa da guerra e da sabedoria, vem à Terra, com a sagrada missão de impedir outros deuses de dominar a Terra e os seres humanos. Para cumprir sua missão, Atena conta com a ajuda de jovens guerreiros protegidos com armaduras sagradas intitulados cavaleiros. Juntos, lutam contra as forças do mal, num ambiente cheio de mitologias.

crea_foto-1.gif

Sagas

No anime, existem 114 episódios clássicos mais 31 episódios da saga de Hades, produzidos mais tarde. Ja no mangá, a história consiste de 48 volumes, no Brasil. É dividida da seguinte maneira:

Santuário

A mais longa de todas as sagas, foi subdividida no total de cinco capítulos. Conta a história dos Cavaleiros de Bronze na Guerra Galáctica até A Batalha das doze casas.

  • A Guerra Galáctica (episódios 01 a 06, no anime, e capítulos 01 a 08, no mangá): Após os cavaleiros conquistarem suas armaduras, Saori os chama para um torneio tendo como prêmio a armadura de ouro de sagitário, porém, com ódio de Mitsumasa Kido, Seiya vai ao torneio com o objetivo de reencontrar sua irmã.
  • Os Cavaleiros Negros (episódio 07 a 15, no anime, e capítulos 09 a 18, no mangá): Antes de terminar o torneio, Ikki de Fênix retorna da Ilha da Rainha da Morte, e ao contrário do esperado, se rebela contra Atena e rouba a armadura de ouro, os cavaleiros vão atrás da armadura que acaba sendo dividida, então começa uma busca para reencontrar as nove partes da armadura (duas pernas, dois braços, cintura, peito, corpo, ombros e máscara).
  • As Forças Ocultas no Santuário (episódios 16 a 22, no anime) (Filler): Este capítulo existe apenas no anime, e foi criado (juntamente com a história do Mestre Ares), porque a produção do anime estava seguindo um ritmo mais rápido que a do mangá, então, para a história não parar, a Toei Animation escreveu alguns episódios que não existiam na saga original. Após derrotarem Ikki, os cavaleiros foram atacados por Dócrates que rouba a armadura de ouro, mas graças ao sacrifício de Ikki, acabam saindo com a máscara. Mais tarde, Dócrates sequestra Saori e pede a máscara como resgate. Seiya e os outros bolam um plano para salvar Saori, derrotar Dócrates e recuperar a armadura, mas o plano não dá totalmente certo. Diante do fracasso de Dócrates, o Santuário envia os cavaleiros fantasmas, o Cavaleiro do Fogo e até mesmo o Cavaleiro de Cristal (mestre de Hyoga), para derrotar os cavaleiros de bronze e recuperar a máscara da armadura de Sagitário.
  • Os Cavaleiros de Prata (episódio 23 a 35, no anime, e capítulos 19 a 27, no mangá): O Mestre Ares envia os cavaleiros de prata, guerreiros teoricamente mais fortes que os cavaleiros de bronze, para destruir o que dizia ser uma rebelião contra o Santuário. Marin de Águia (mestra de Seiya), também recebeu essa missão, enquanto Daidalos de Cefeu (mestre de Shun), desobedeceu as ordens do Mestre Ares, sendo por isso atacado por cavaleiros de ouro.
  • As Doze Casas (episódios 36 a 73, no anime, e capítulos 28 a 45, no mangá): Determinada a purificar o Santuário, Saori ordena que os cavaleiros de bronze invadam o templo. Para garantir seus desejos maléficos, Mestre Ares convoca os lendários cavaleiros de ouro, os mais poderosos guerreiros de Atena.

Guerreiros Azuis

Existe apenas no mangá. É uma história solo de Hyoga de Cisne. Inicia-se com a sua visita à Sibéria depois da Guerra das Doze Casas do Zodíaco para rever sua mãe morta há sete anos. Nesta mini-saga, Hyoga é capturado e preso em uma masmorra, no Graad Azul, entretanto, com a ajuda de Natássia e Jacob ele consegue se libertar e segue para enfrentar os guerreiros azuis. Essa saga se passa no volume 22 do mangá.

Fãs argentinos criaram o projeto Cygnus Project que tem o objetivo de animar essa saga, no entanto, o projeto foi suspenso. No final de 2008, fãs brasileiros decidiram criar o projeto “Natássia do País do Gelo” que além de animar a Saga dos Guerreiros Azuis, cria também um jogo de RPG baseado nela.

Asgard

Existe apenas no anime. A batalha entre os Cavaleiros de Atena e os Guerreiros Deuses de Odin, manipulados por Hilda de Polaris, que estava sendo controlada pelo Anel de Nibelungo dado por Poseidon. Ocorre entre os episódio 74 e 99. Essa saga foi baseada na mitologia nórdica.

Poseidon

A verdadeira batalha contra o deus dos mares e seus Generais Marinas. Ocorre entre os episódios 100 e 114 (anime), e capítulos 46 e 65 (mangá).

Hades

Conta sobre umas das milhares de guerras santas contra Hades, sua irmã Pandora Heinstein e os espectros. É composta por três capítulos. A animação dessa saga somente ocorreu em 2002, treze anos após o término da saga de Poseidon.

  • Santuário (episódios 115 a 127, no anime, e capítulos 66 a 81, no mangá japonês): O selo que prendia as almas de Hades e seus espectros se rompe, dando início à temida guerra santa contra Hades. Saga de Gêmeos, Máscara da Morte de Câncer, Shura de Capricórnio, Camus de Aquário, Afrodite de Peixes e Mestre Shion são ressuscitados e juram lealdade a Hades.
  • Inferno (episódios 128 a 139, no anime, e capítulos 82 a 99, no mangá japonês): Os cavaleiros de Atena vão até o inferno para entregar a Saori a armadura de Atena e ajudá-la a enfrentar Hades.
  • Elíseos (episódios 140 a 145, no anime, e capítulos 100 a 108, no mangá japonês): Os cavaleiros de bronze invadem os Campos Elíseos, local reservado aos deuses, onde terão de enfrentar Hypnos (deus do Sono), Thanatos (deus da Morte), e Hades (deus do submundo).

Céu

Ela é iniciada com o último filme dos Cavaleiros, Prólogo do Céu, que conta a invasão de outros deuses do Olimpo ao planeta Terra, tendo como os vilões principais Artemis (deusa da Lua), irmã de Atena, Apolo, irmão de Artemis. A história ainda não foi concluída por Kurumada.

No ano de 2004, foi lançado o quinto filme chamado Os Cavaleiros do Zodíaco – Prólogo do Céu (Saint Seiya – Tenkai-hen Josō), que supostamente seria um capítulo estendido situado logo após o fim da saga de Hades, dando início a uma nova saga. O filme chegou aos cinemas brasileiros em novembro de 2006.

Sagas paralelas

As Sagas Paralelas são aquelas que não seguem a cronologia normal do Mangá/Anime, mostrando outras aventuras além das principais.

Episódio G

Episódio G é a abreviação de “Episódio Gold” (Episode Gold no Japão), nome do mangá japonês de Os Cavaleiros do Zodíaco, lançado em 2002 e publicado no Brasil pela editora Conrad. A história é um prelúdio, que começa com o relato da tentativa de assassinato de Atena há 13 anos e continua mostrando a vida de Aioria, o Cavaleiro de Leão, que tendo o irmão acusado de traição passa a ser sempre mal visto no Santuário.

Na história também surgem os Titãs, deuses que reinaram antes de Zeus. Os Titãs vão aos poucos ressurgindo e fazendo renascer outras criaturas mitologicas, como os Gigas, com o intuinto de invadirem o santuário de Atena e resgatar a arma divina de Cronos, o rei dos titãs, mas os cavaleiros de Atena aparecem para combatê-los; onde mais tarde ocasionará uma guerra entre o santuário e as tropas de Cronos.

Gigantomaquia

Gigantomaquia é um livro que conta uma saga paralela de Os Cavaleiros do Zodíaco, sendo dividido em dois volumes. Foi escrito por Tatsuya Hamazaki, com total aprovação do Masami Kurumada.

A história trata do retorno dos Gigas (ou Gigantes), guerreiros portadores das “Adamas”, armaduras com a dureza de diamante e simbolizando pedras preciosas e semipreciosas. Eles atacam o Santuário com o objetivo de seqüestrar a jovem amazona de Bronze, Yuuri de Sextante. Junto com o mestre Nicol de Altar, um Cavaleiro de Prata, Seiya e seus amigos tentam libertar a jovem, mas acabam caindo em uma armadilha. Durante a história, surge Mei de Cabeleira de Berenice, filho legítimo de Mitsumasa Kido e discípulo do Cavaleiro de Ouro Máscara da Morte de Câncer. A armadura de Cabeleira de Berenice não pertence a nenhuma classificação das armaduras do Santuário e é capaz de deter os gigas.

Os Cavaleiros de Bronze lutam com diversos Gigas aliados aos Titãs e liderados pelo deus Tífon, que comanda por meio do “Temor”.

Next Dimension

Mangá escrito e desenhado por Masami Kurumada e lançado em 2006. A princípio conta a história da última Guerra Santa contra Hades (ocorrida em 1743), do ponto de vista de Dohko de Libra e Shion de Áries. Mas do cápitulo 14 em diante começa a contar a história da saga do céu, depois da batalha de Hades, onde Seiya está à beira da morte e Atena procura sua irmã Artêmis para salvá-lo.

The Lost Canvas

Lançado meses depois de Next Dimension, também narra a guerra santa de 1743, porém do ponto de vista do antigo Cavaleiro de Pégaso, Tenma, e da reencarnação de Hades, Alone. Este mangá lida com a relação do trio Alone (Hades), Sasha (Atena) e Tenma (Pégaso), uma vez que moraram num mesmo orfanato quando jovens e levando em conta o fato de que Alone é irmão biológico de Sasha.

A publicação apresenta diversos fatos esclarecedores sobre a série. Porém alguns pontos estão em contradição com o mangá Next Dimension.

No final de junho de 2009 será lançado o anime baseado do mangá Lost Canvas. A história trata da guerra santa da época de Dohko de Libra e de Shion de Áries, há 245 anos.[carece de fontes?]

Filmes

Cinco filmes foram feitos pela Toei Animation e pela Bandai, sendo o último escrito por Masami Kurumada, o autor original da série. Com a exceção do Prólogo do Céu, o último filme, nenhum deles faz parte da cronologia da história original, são apenas sagas alternativas. A maioria dos filmes dos Cavaleiros do Zodíaco possui duração inferior a sessenta minutos. Todos os cinco filmes representam lutas dos cavaleiros de Atena contra algum deus maléfico.

É importante destacar que muitas pessoas não consideram os filmes como peças relevantes da série Saint Seiya, provavelmente devido à baixa receptividade quanto à qualidade dos mesmos. Algumas críticas feitas aos filmes são o pobre desenvolvimento psicólogico dos personagens e a pouca criatividade nas histórias. De acordo com os comentários mais comuns, as tramas sempre giram em torno das lutas dos cavaleiros de Atena contra algum deus maléfico que vem à Terra acompanhado de alguns soldados com o intuito de destruir a raça humana. Em todos os filmes, a deusa Atena é raptada ou abduzida, o cavaleiro Shun é facilmente derrotado e inevitavelmente resgatado por seu irmão Ikki, e basta um golpe de Seiya com a flecha da Armadura de Ouro de Sagitário para pôr fim às intenções perversas das divindades.

Entretanto, diferente do senso comum, Masami Kurumada participou ativamente da elaboração dos três primeiros filmes explicando a utilização de elementos que seriam reutilizados no mangá, como a ressureição dos Cavaleiros de Ouro, o lendário Cavaleiro de Lira, e o golpe suicida de Saga em Jaú (semelhante ao golpe suicida de Kanon em Radamanthys).

Kurumada desenhou pessoalmente o visual dos cinco inimgos do primeiro filme, bem como os de Durval, Loki, Frey e Freya em A Grande Batalha dos Deuses (tendo o desenhos destes dois últimos sido reaproveitados no mangá, sobre a forma de Alexei e Natassia). O visual do deus Abel também foi elaborado pelo criador da série, servindo de base para o desenho de Apolo.

Diferente dos primeiros filmes, o Prólogo do Céu teve recepção positiva pelos fãs em todo o mundo, embora o mesmo não possa ser dito dos fãs japoneses, o que explica o fracasso de público na sua exibição. Em virtude das alterações de seu roteiro original, e o fracasso do filme no Japão, Masami Kurumada exigiu a sáida de toda a equipe de animação da série, que foi substituída na produção de Hades.

Os filmes são:

  • O Santo Guerreiro
  • A Grande Batalha dos Deuses
  • A Lenda dos Defensores de Atena
  • Os Guerreiros do Armageddon
  • Prólogo do Céu

Histórias laterais

São histórias escritas pelos produtores do anime e reconhecidas como oficiais por Masami Kurumada. Foram publicadas nas revistas “Jump Gold Selection” da editora Shueisha. Ao todo, foram três histórias, quais sejam:

  • Corrente Nebulosa – Laços de Irmãos: Centrada na relação entre Ikki e Shun, narra a vida dos dois cavaleiros. Se passa logo após o arrependimento de Ikki.
  • A História Secreta da Excalibur – Saga! Prelúdio da Ambição: Aborda a traição de Saga e as mortes de Shion, Ares e Aiolos. Shura é tratado como um cavaleiro novo que se espelhava no cavaleiro de Sagitário.
  • Atena! O grande Amor: Ambientada logo após a morte de Saga de Gêmeos, trata-se de uma transição entre a Saga do Santuário e a Saga de Asgard. Relata os sentimentos de Saori que demonstra preocupação com o estado dos cavaleiros de bronze (especialmente Seiya), após o confronto com os cavaleiros de ouro.

Os Cavaleiros de Atena

Quando a primeira guerra santa começou, muitos homens que lutavam por Atena morreram até que sobraram apenas garotos para lutar. Como odiava as armas, Atena os vestiu com armaduras feitas com Oricalco, o pó de estrelas, e as banhou com a “Vontade Divina”. Segundo o mito de Cavaleiros do Zodiáco, todo ser humano é capaz de despertar e elevar seu Cosmo, desde que passe pelo treinamento necessário.

Os Cavaleiros de Atena são hierarquizados de acordo com o metal que compõe sua armadura e sua constelação guia, e esta classificação servem também para dividí-los quanto ao nivel de seu poder, isto é, a capacidade de elevarem seus cosmos. Eles são dividas em Bronze, Prata e Ouro; tais armaduras são entregues a guerreiros, que possuem domínio do cosmo, equivalente ao nível da armadura. Enquanto as Bronze são vestidas por Cavaleiros mais fracos, as de Ouro pertencem àqueles que dominam completamente o Sétimo Sentido, que seria a percepção cósmica de canalizar e dominar plenamente a energia que permeia toda a matéria (chamada cosmo-energia).

Na história original, existem doze armaduras de ouro, vinte e quatro de prata, quarenta e oito de bronze e quatro armaduras especiais que não possuem categoria. No Episódio G, é dito que existem cinquenta e duas armaduras de bronze, não existindo, portanto, nenhuma armadura especial.

Personagens

Protagonistas

  • Saori Kido (Atena)

A Deusa da Sabedoria e da Justiça cuja vontade é de proteger a humanidade do mal e garantir a paz. Após ser salva das ambições que rodeava o Santuário, foi nomeada como Saori Kido, neta de Mitsumasa Kido. Ela fora salva por Aiolos de Sagitário das garras de Saga de Gêmeos (Mestre Ares), que tentara matá-la. Se aproveitando da inexistência de testemunhas, Mestre Ares acusou Aiolos de traição, que posteriormente foi morto por Shura de Capricórnio por ordens do Mestre.

  • Seiya de Pégaso

Cavaleiro que conquistou sua armadura na Grécia, treinado pela amazona de prata Marin de Águia. Nobre ao mesmo tempo que agitado, Seiya é o protagonista da série, cujo objetivo é encontrar sua irmã perdida, Seika. É conhecido por nunca perder as esperanças e lutar por aquilo que acredita. Depois da guerra contra Hades ele encontra Seika graças á Marin.

  • Shiryu de Dragão

Cavaleiro que treinou arduamente na China com o Mestre Ancião que na verdade é o cavaleiro de ouro Dohko de Libra. Sábio e habilidoso, Shiryu é um notável guerreiro que sempre arrisca sua vida em prol das outras pessoas. Costuma receber grandes ensinamentos de seu mestre.

  • Hyoga de Cisne

Treinou sobre as frias montanhas da Sibéria orientado pelo cavaleiro Camus de Aquário (no anime é treinado pelo Cavaleiro de Cristal). No mangá, recebe a missão de destruir Seiya e os outros cavaleiros de bronze que mancharam a honra do santuário ao participar do torneio de Saori Kido no Japão. Calmo e calculista, Hyoga é o guerreiro que manipula o frio. Ele sempre se lembra da morte de sua mãe que naufragou para salvar o filho, de onde retira forças para lutar, muito embora seu mestre dicorde da fonte de inspiração do pupilo e pregue que para atingir a perfeição como guerreiro, Hyoga deva esquecer este tipo de sentimentos,sendo este fato o que provoca Hyoga a lutar pessoalmente com Camus na batalha das Doze Casas.

  • Shun de Andrômeda

Conquistou sua armadura na ilha de Andrômeda, próxima da Etiópia. Pacífico e bondoso, Shun vive a contradição de ser um guerreiro que não gosta de lutar. Ao fazer uma promessa ao seu irmão Ikki, treina para ser um guerreiro. É muito poderoso, mas esconde o seu verdadeiro poder usando apenas a corrente embutida na armadura. Muitas vezes, quando está em perigo, é ajudado por seu irmão. Ele foi treinado pelo cavaleiro Albion de Cefeu junto a June de Camaleão, Leda e Spica.

  • Ikki de Fênix

Ikki é o guerreiro que teve o mais difícil treinamento para conquistar sua armadura após resolver trocar o seu lugar com o de seu irmão. O mestre de Ikki, Guilty, que o treinou na Ilha da Rainha da Morte, conseguiu embutir o ódio e o rancor no coração de seu pupilo após matar Esmeralda, sua escrava (filha no anime), a quem Ikki amava. Após isso, acaba matando seu mestre, conquista a armadura de Fênix e a liderança dos Cavaleiros Negros. Afim de se apossar da armadura de ouro de sagitário, se une aos cavaleiros negros para lutar contra Seiya e os outros. Posteriormente, arrependido, Ikki desaparece após ser derrotado, mas volta para ajudar seus amigos em momentos críticos.

Vilões

  • Saga: O Cavaleiro de Ouro de Gêmeos, assassina o mestre anterior (Shion de Áries), enquanto este meditava em Star Hill, monte onde apenas os Grandes Mestres poderiam entrar, a fim de prever o futuro. No anime, o roteiro é diferente, segundo o Episódio Zero, que é um episódio avulso especial que resume a história do anime até a derrota de Poseidon para preparar os telespectadores para a saga de Hades, Saga matou Ares, irmão de Shion e só depois de treze anos matou Shion para se tornar o mestre.
  • Hilda de Polaris: Representante de Odin na Terra, a valquíria é possuída pelo Anel de Nibelúngo (controlado por Poseidon no anime), que a leva a ter impulsos de dominação do mundo em nome de Odin.
  • Julian Solo (Poseidon): Julian Solo, magnata do comércio marítimo, hospedeiro do espírito do deus dos mares. Sua missão é purificar a terra através de enchentes e inundações.
  • Kanon: Irmão gêmeo de Saga que previa o lado negro de seu irmão. Diz ao espírito de Poseidon que Atena voltara a caminhar sobre a Terra e que o deus dos mares deveria combatê-la. Então diz para Julian Solo que ele é um deus, e assim se faz. É conhecido também como o homem que manipulou os deuses.
  • Hades: Deus do Mundo dos Mortos, usou o corpo de Shun como hospedeiro. Deseja o domínio da Terra e sua purificação através da morte dos humanos.
  • Pandora: Comanda a invasão dos Espectros ao Santuário de Atena em nome de Hades.

Outros

  • Kiki: Aprendiz de Mu de Áries. Por enquanto não tem muitos poderes, mas é um garoto bastante valente, como pode constatar na batalha contra Poseidon, onde Kiki leva a armadura de Libra. Possui poderes de telecinese. É um dos últimos descendentes da raça do continente de Shion. Tornou-se um grande amigo dos cavaleiros de bronze, principalmente de Shiryu.
  • Shina de Cobra: Shina é uma amazona de Prata que treinou Cássius, outro candidato a Armadura de Pégaso. Com personalidade geniosa, quis vingar-se de Seiya por ter derrotado seu discípulo,inclusive arrancado-lhe a orelha, e por achar que a armadura de Pégaso era digna somente de ser utilizada por um grego legítimo, como Cassius, e não por um japonês, que, por natureza, não seria “devoto” da Deusa Athena.Nessa ocasião, Seiya acaba vendo seu rosto sob a máscara e, desde então, Shina alimenta uma obsessão por ele, pois quando uma amazona tem seu rosto visto por um homem, ela deve amá-lo ou matá-lo.Sempre defende Seiya, muitas vezes dando seu próprio corpo, jogando-se contra golpes de seus oponentes.
  • Cássius: Aluno de Shina de Cobra. Era rival de Seiya pela armadura de Pégaso. Antes era uma pessoa bruta e rude, mas após se apaixonar por Shina, se transforma em uma pessoa boa. Tanto que se sacrifica por ela em um ato heróico.
  • Tatsumi Tokumaru / Tokumaru Tatsumi: guarda-costas de Saori e seu braço direito. Foi assistente de Mitsumasa Kido. Era encarregado de treinar os órfãos que futuramente seriam os Cavaleiros de Bronze, e muitas vezes abusava de seu status. Aparenta ser um excelente lutador de kendo. É um fiel ajudante, acompanhou Saori até o santuário e permaneceu com Saori durante as doze horas que ela estava ferida. Apesar de não ser um cavaleiro, a defende como se fosse um.
  • Freya: irmã de Hilda de Polaris. Vive em Asgard. Liberta Hyoga quando ele é preso e foge com ele. Ajuda os cavaleiros de bronze dando informações sobre os guerreiros deuses e os ajuda a chegar ao templo de Poseidon.
  • Mitsumasa Kido / Kido Mitsumasa: avô adotivo de Saori. Após receber Atena ainda bebê e a Armadura de Sagitário de Aiolos, reuniu 100 crianças para se tornarem Cavaleiros, vivendo todos em sua mansão no Japão. Morreu pouco antes de Seiya retornar da Grécia, levando consigo o segredo do paradeiro da irmã de Seiya. Idealizador da milionária e nipônica Fundação Graad.
  • Shunrei: Filha adototiva de Dohko de Libra, que a adotou ainda pequena e assim viveu com ele em Rozán, nos 5 picos antigos da China. Lá conheceu Shiryu e Okko nos seus treinamentos, mas visivelmente se apaixonou por Shiryu. Sempre cuidou dele nas horas adversas, rezou por seu retorno seguro e foi atacada por Máscara da Morte de Câncer que a jogou cachoeira abaixo após desconcentrá-lo com suas orações na iminência da morte de Shiryu.Mas o Mestre Ancião a salva.

Produção e recepção

Quando Masami Kurumada estava no processo de criação do mangá, o nome do cavaleiro de pégaso seria Rin, e o título “Ginga no Rin” (Rin da Galáxia). Entretanto, depois Kurumada mudou o nome do personagem para Seiya, por julgá-lo mais adequado, isto porque em kanji, Seiya significa “flecha estelar” (uma referência à constelação de sagitário, signo de Seiya e do próprio Kurumada). Finalmente, o título foi mudado para Saint Seiya porque os defensores de Atena seriam chamados de “santos cavaleiros”.[1]

Seiya foi inspirado no personagem Takane Ryuji, protagonista do mangá Ring ni Kakero, também de autoria de Kurumada.[2]

No Brasil, o lançamento da série em 1994 foi responsável por mudar a maneira que o público assistia animes, desencadeando uma “anime-mania”. Em outros países latino-americanos (como por exemplo, no México e na Argentina) o sucesso também foi grande, apesar de a animação japonesa ter sido exibida eventualmente em ambos os países na década anterior, com programas como “Robotech” e “Mazinger Z”. Em função do sucesso nos países de língua espanhola, a tradução brasileira do anime foi feita com base na dublagem em espanhol. Tanto o anime quanto o mangá foram lançados na China, Hong Kong e Taiwan por volta de 1990, dando início à adoração da animação japonesa e do mangá nesses países.

A idéia de utilizar mitologia como pano de fundo serviu de inspiração para outros animes como, por exemplo, Samurai Warriors e Shurato.[3]

Pode afirmar-se que a série deu contribuições especiais no desenvolvimento da cultura japonesa de mangás e animes. É a mais importante e antiga origem para Doujinshi, que acabou crescendo numa subcultura periférica significativa de anime e mangá. Os grupos Doujinshi têm atualmente um grande número de membros no Leste Asiático, América do Sul e Oeste Europeu.

O mangá original vendeu mais de 25 milhões de cópias no Japão.[4] Em ranking publicado em 2006 pela TV Asahi, Os Cavaleiros do Zodíaco está entre os cem melhores animes.[5]

Em 1987, a série foi eleita o terceiro melhor anime do ano na famosa premiação Anime Grand Prix realizada pelas revistas japonesas Animage e Newtype, sendo superada pela série Zillion (que ficou em segundo lugar), e pelo ganhador do prêmio, Dragon Ball. Mas no ano seguinte, Saint Seiya foi escolhido como o melhor anime de 1988[6] e só voltou a repetir a mesma façanha em 2003 com a Fase Santuário de Hades.

No Canadá e Estados Unidos, a série não fez sucesso em sua primeira exibição. Somente em 2003, com o nome Knights of the Zodiac a série começou a ganhar fãs do continente norte-americano (mais específicamente nos estados de Quebec (Canada) e Wisconsin (EUA)). A empresa responsável pelo licenciamento foi a DIC Entertainment. A série sofreu muitos cortes e enormes alterações na trilha sonora e na história, o que decepcionou muitos fãs. A saída foi lançar DVDs (caixas) na íntegra (sem cortes e alterações). Alguns produtos começaram a ser lançados junto com o mercado japonês com isso é crescente o número de fãs que estão se formando nos EUA e no Canadá.

Temas recorrentes

  • Armaduras:

Na série, a maioria dos personagens são guerreiros que vestem diferentes tipos de armaduras. Cada uma delas foi desenhada e construída por ferreiros a serviço de um deus. Nenhum dos que fizeram as armaduras é revelado, apesar de Shion, Mu e Kiki serem descendentes do povo que forjou as armaduras de Atena, os habitantes do Continente de Mu, continente mitológico no Oceano Índico. Os deuses também possuem armaduras, chamadas de kamui.

A armadura de um cavaleiro tem uma vida, que, ao ser destruída, só pode ser revivida, e não restaurada de maneira qualquer. Somente os descendentes do povo que as forjou podem revivê-las. No caso das Armaduras de Atena, por exemplo, o cavaleiro deve sacrificar um terço do próprio sangue para ajudar na recuperação.

Apesar de cada tipo de armadura ter características diferentes, seus princípios de funcionamento são bastante similares: elas são muito mais resistentes do que o metal comum, e amplificam a cosmo-energia do usuário muitas vezes.

  • Cosmo:

Depois do Big Bang, uma força chamada de cosmo foi espalhada pelo universo. Os humanos que conseguem controlar essa força tornam-se extremamente fortes e conseguem despertar sentidos sobre-humanos.[7]

  • Reencarnação:

No começo da série é dito que a cada período médio de 250 anos, os deuses reencarnam na Terra. Durante a batalha das doze casas, Shaka conta para Ikki que é a reencarnação de Buda. Com o lançamento dos mangás The Lost Canvas e Next Dimension, revela-se que a maioria dos cavaleiros da era atual são na verdade reencanações dos cavaleiros da última guerra santa contra Hades.

  • Sentidos:

Do ponto de vista da biologia, os sentidos são as formas como os seres vivos reconhecem outros organismos e as características do meio ambiente em que se encontram. No ser humano são reconhecidos como sendo cinco sentidos: visão, audição, olfato, paladar e tato; sendo suas respectivas funções: ver, ouvir, cheirar, saborear e sentir a “textura”. A série expande o poder dos dois últimos sentidos dando ao paladar a função de fala e ao tato o controle sobre a coordenação motora.

Contudo, foram descritos na série mais quatro sentidos, sendo eles:[8]

6º Sentido: (Intuição) O sexto sentido faz os humanos poderem perceber e se comunicar com pessoas a grande distância. Com esse sentido um humano pode saber quando cada pessoa vai nascer ou morrer, ele também pode prever algo que irá acontecer.

7º Sentido: (Cosmo) Sétimo sentido é o domínio total do “Cosmo”. Quando um cavaleiro consegue dominar este cosmo por completo, isto quer dizer que ele alcançou o máximo do sétimo sentido. Desde os tempos mitológicos, apenas os Cavaleiros de Ouro conseguiram dominar o máximo do sétimo sentido, sendo, assim, pessoas praticamente invencíveis. Mas, na verdade, se um Cavaleiro de Bronze ou Prata estiver muito determinado e encorajado, ele também poderá alcançar o sétimo sentido, mesmo sendo com muito mais dificuldade. O poder desse sentido é capaz de superar a perda dos outros seis.

8º Sentido: (Arayashiki) O oitavo sentido é a habilidade que permite aos Cavaleiros irem até o Meikai (Mundo dos Mortos) e voltarem sem morrer. Assim como o sétimo sentido, é necessário um bom estado de espírito para despertá-lo. Os Espectros de Hades não o possuem, apesar de irem e voltarem do Mundo dos Mortos facilmente graças à proteção que possuem por jurar lealdade a Hades.

9º Sentido: (Suprema Virtude) Apesar de apresentado no Hipermito, nunca foi descrito na série. O nono sentido seria a “Vontade Divina”, um poder que permeia o universo desde o Big Bang. Aqueles que o alcançam, ganham o poder para se converterem em deuses.

Mitologia e Religião

Apesar de ser baseada na mitologia grega, a série apresenta elementos de diversas outras mitologias e Religiões. Essa miscelânea é explicada pelo Hipermito (um compêndio com informações sobre o enredo da série, lançado em 1988 com o objetivo de explicar dúvidas deixadas pelo anime e pelo mangá).

Segundo o Hipermito, o Big Bang deu origem ao Universo e à Suprema Virtude (nono sentido), sendo este último responsável pela criação do ser humano. Alguns humanos atingiram um elevado cosmo, despertando o nono sentido e transformando-se em deuses. A medida que novos deuses surgiam, diferentes seitas e Religiões eram criadas para venerá-los.[9]

Avanço da série

1986:

  • O Mangá é criado e começa a ser publicado no Japão.
  • Um mês depois, o Anime começa a ser exibido semanalmente na TV Asahi.

1987:

  • Lançamento do primeiro curta-metragem: O Santo Guerreiro (A Batalha de Éris).

1988:

  • Bandai lança os bonecos dos Cavaleiros, com suas armaduras de metal.
  • Lançamento do segundo curta-metragem: A Grande Batalha dos Deuses (A Batalha de Durval).
  • O anime começa a ser exibido na França, sendo rebatizado para: Les Chaveliers du Zodiaque – nome que o acompanharia em todas as outras traduções ao redor do globo.
  • Lançamento do primeiro longa-metragem: A Lenda dos Defensores de Atena (A Batalha de Abel).
  • A Shonen Jump lança a revista Cosmo Special, contendo o Hipermito.

1989:

  • Exibido o último episódio do anime no Japão.
  • Lançamento do terceiro curta-metragem: Os Guerreiros do Armageddon (A Batalha de Lúcifer).

1990-1993:

  • A publicação do mangá chega ao fim.
  • O anime é exibido no México, Tailândia, China, Espanha, Itália, Portugal, Indonésia, Malásia, Brunei, Peru, Panamá, França, Costa Rica, El Salvador, Taiwan, Colômbia, Chile e Argentina.

1994:

  • É exibido pela primeira vez no Brasil pela extinta Rede Manchete dublado pela extinta Gota Mágica.

1995:

  • O longa-metragem A Lenda dos Defensores de Atena é exibido nos cinemas brasileiros e tem recorde de público dentre as animações nipônicas já exibidas na grande tela. Estima-se que cerca de 1 milhão de pessoas assistiram ao filme.
  • É exibido o último episódio da série no Brasil; contudo, a Rede Manchete continuaria a reprisá-la pelos próximos dois Anos.

1997:

  • A Rede Manchete remove as reprises de Os Cavaleiros do Zodíaco do ar, após condensar os últimos dois episódios em apenas um, e encerra a exibição com um fatídico “Fim”, junto aos créditos.

1998:

  • No dia primeiro de Janeiro a Manchete exibe sem muito alarde o filme “A Batalha Final”. Seria a última exibição da série no Brasil até seu retorno pelo Cartoon Network.

1999-2000:

  • Em Setembro a SIC finalmente começa a transmitir a série na íntegra em Portugal.
  • Em Dezembro, o mangá de Os Cavaleiros do Zodíaco, junto com o de Dragon Ball, passa a ser publicado no Brasil pela Conrad Editora.

2001:

  • O desenhista francês Jérome Alquié, que antes havia produzido um cartaz para chamar a atenção da Toei Animation sobre a Saga de Hades, surpreende o mundo ao produzir dois trailers da Saga (o primeiros com cenas do encontro de Ikki e Pandora e o segundo com os Cavaleiros diante do Muro das Lamentações). O francês Chegou a declarar que se a Toei não quisesse produzir a Saga de Hades, ele compraria os direitos e ele mesmo produziria.

2002:

  • Gigantomaquia é lançada no Japão.
  • Toei Animation finalmente lança a Saga de Hades em anime.

2003:

  • Episódio G (novo mangá dos Cavaleiros), é lançado no Japão.
  • Começa a redublagem de Cavaleiros nos estúdios da Álamo, para seu esperado relançamento no Brasil. Em 1º de Setembro acontece a reestréia no Brasil, no canal a cabo Cartoon Network.
  • Encerrada a publicação do mangá no Brasil, com a chegada da edição 48.

2004:

  • Novo filme dos Cavaleiros (Prólogo do Céu – Abertura) estréia no Japão.
  • Cavaleiros passa a ser exibido no Brasil também em canal aberto: Rede Bandeirantes à partir das 18:00 hs, de segunda à sexta.
  • É relançado o mangá no Brasil com algumas correções consideráveis nos textos. Além disso é lançado o Episódio G no Brasil, o segundo país a lançá-lo, atrás apenas da Argentina.

2005:

  • Filme Books e Gigantomaquia são lançadas no Brasil.
  • Jogo de Ps2 dos Cavaleiros é lançada no Japão pela empresa Dimps.
  • Cavaleiros passa a ser exibido no Brasil por outro canal aberto: Rede 21 (atualmente chamado Play).
  • A dublagem do Capítulo do Santuário da Saga de Hades começa a ser feita para exibição no México (Primeiro país sem contar o Japão a exibir a saga).
  • No Dia 17 de Dezembro são exibidos os primeiros dois episódios do Capítulo do Inferno (Saga de Hades).

2006:

  • Começa a dublagem para o DVD brasileiro da Saga de Hades, Capítulo do Santuário (Segundo país sem contar o Japão a exibir a saga).
  • O Brasil é o primeiro país, sem contar o Japão, a exibir o filme Prólogo do Céu nos cinemas.
  • No dia 27 de Abril é lançado o novo mangá de Masami Kurumada: Saint Seiya – The Next Dimension.
  • É lançado o DVD da Saga de Hades no Brasil totalmente em portugês, pela Play Arte Home Video, batizada Os Cavaleiros do Zodíaco – Hades – A Saga do Santuário.
  • Segundo jogo de PS2 dos Cavaleiros (Saint Seiya – The Hades) será lançado no Japão em 13 de Outubro de 2006.

2007:

  • São exibidos os últimos episódios do Capítulo do Inferno (Saga de Hades).
  • A Saga de Hades – Santuário, começa a ser exibida no Brasil pelo Cartoon Network.
  • Os quatro filmes antigos são redublados no Brasil para serem lançados em DVD.
  • É confirmada a produção da saga Elíseos.
  • A Saga de Hades – Inferno, é dublada no Brasil e lançada em DVD em Novembro.

2008:

  • A editora JBC consegue os direitos de publicação do Lost Canvas e lança em Setembro deste ano o mangá no Brasil.
  • Fase Elíseos de Hades é exibida.
  • Film Book de Elíseos é lançado no Japão.
  • A Playarte adquire os direitos da Fase Elíseos da Saga de Hades e lança DVDs no Brasil.
  • O anime do The Lost Canvas é anunciado.

Trilha sonora

Temas de abertura:

  • Episódios 1 a 73: “Pegasus Fantasy” por Make Up (no Brasil, por Edu Falaschi)
  • Episódios 74 a 114: “Soldier Dream” por Hironobu Kageyama (no Brasil, por Che Leal)
  • OVAs 1 a 13: “Chikyuugi” por Yumi Matsuzawa (no Brasil, por Larissa Tássi)
  • OVAs 14 a 31: “Pegasus Forever” Marina Del Ray (no Brasil, por Ricardo Cruz)

Temas de encerramento:

  • Episódios 1 a 73: “Blue Forever” por Make Up (no Brasil, por Edu Falaschi)
  • Episódios 74 a 114: “Blue Dream” por Hironobu Kageyama & Broadway (no Brasil, por Che Leal)
  • OVAs 1 a 13: “Kimi to Onaji Aozora” por Yumi Matsuzawa (no Brasil, por Larissa Tássi)
  • OVAs 14 a 25: “My Dear” por Yumi Matsuzawa (no Brasil, por Larissa Tássi)
  • OVAs 26 a 31: “Kami no Sono” por Yuuko Ishibashi

Dublagem

No Brasil, a série possuiu três dublagens. A primeira, feita no estúdio Gota Mágica, foi acompanhada de perto pelos executivos da Bandai, que já esperavam um grande sucesso. Essa dublagem apresentou muitos erros, como por exemplo, o cavaleiro Jabu de Unicórnio que virou Jabu de Capricórnio.

Mais tarde, afim de conseguir que a série pudesse ser novamente exibida em terras brasileiras, chegou-se ao consenso que seria mais fácil redublar toda a série do que conseguir posse das fitas originais que estavam sobre fortes problemas judiciais (devido a falência da Rede Manchete). Esta segunda dublagem, foi feita no estúdio Álamo que realizou um trabalho com mais cuidado e esmero do que a primeira versão. Entretanto a redublagem não contou com a volta de todos os dubladores originais (além dos que faleceram, a Álamo trocou os dubladores de Marin de Águia, Poseidon e Bado de Alcor). Os erros desta versão são mínimos, mas ainda há alguns problemas, como trocar no meio da série o nome do golpe “Espírito Diabólico” de Ikki de Fênix para Golpe Fantasma. A Álamo também dublou os episódios do capítulo Santuário da Saga de Hades e o filme Prólogo do Céu.

Juntamente com os episódios do capítulo Santuário, foi produzido um episódio especial chamado Episódio Zero, que resumia os acontecimentos da série até a Saga de Hades. A dublagem desse especial ficou a cargo da empresa Dubrasil que utilizou os mesmos dubladores da Álamo. A Dubrasil dublou, ainda, os capítulos Inferno e Elíseos da Saga de Hades, e redublou os quatro filmes antigos, entretanto o elenco de dublagem sofreu várias modificações.

No Japão, após vinte anos sendo dublada pelas mesmas pessoas, Masami Kurumada, trocou os dubladores originais dos cinco Cavaleiros de Bronze e da deusa Atena por pessoas mais jovens.

De acordo com uma carta que foi publicada no site do próprio Kurumada, ele dizia que a voz de vários dos dubladores antigos estava “nojentamente imprestável” (‘helplessly gross’ na tradução em inglês que o site disponibilizou), e que queria “alcançar uma nova geração de fãs” usando um elenco mais “atual”, que é facilmente reconhecido de séries que estariam “na moda” no Japão.

Essa noção contradiz diretamente o posicionamento de Toru Furuya (primeiro dublador japonês de Seiya), e do diretor Shingeyasu Yamauchi (diretor dos treze OVAs de Hades-Santuário e do filme Prólogo do Céu), que afirmavam que o público de Cavaleiros no Japão são os adultos que acompanharam a série quando crianças. Furuya se afastou por não desejar continuar o trabalho sem seus companheiros, e aparentemente, Kurumada deliberadamente vetou Yamauchi, usando a fraca recepção do filme no Japão como argumento (o filme apenas se pagou quando exibido, mas foi um sucesso quando lançado em DVD). Disso surgiram os novos dubladores e o novo diretor da série que assumiram na Fase Inferno.

Jogos

No auge de sucesso da série no Japão foram criados vários jogos dos cavaleiros para os consoles da Nintendo (dois para o NES e um para o Game Boy).

Muito tempo depois, com o lançamento das OVAs da Saga de Hades, a Bandai lançou dois jogos de luta para Playstation 2.

  • Saint Seiya (Nes):

Referente a saga do Santuário completa, numa mistura de plataformas com batalhas RPG.

  • Saint Seiya 2 (Nes):

Jogo focado na “Batalha das Doze Casas”.

  • Saint Seiya Paradise (Game Boy):

Jogo que passa pela Saga do Santuário até a Saga de Poseidon. Desta vez totalmente como RPG, semelhante à jogos como “Final Fantasy”.

  • Saint Seiya (Perfect Edition) (Wonder Swan):

Remake do primeiro jogo Saint Seiya para Nes.

  • Saint Seiya Typing Ryu Sei Ken (PC):

Jogo com um estilo bem diferente, onde o jogador enfrenta os inimigos digitando rapidamente palavras em japonês que aparecem na tela.

  • Saint Seiya – Chapter Sanctuary (Playstation 2):

É o primeiro jogo 3D de luta de Os Cavaleiros do Zodíaco, situado na batalha das doze casas.

  • Saint Seiya 2 – The Hades (Playstation 2):

Por enquanto, o último jogo oficial já feito dos Cavaleiros do Zodíaco e o segundo para Playstation 2. Bem parecido com o antecessor, o gênero continua sendo de luta, porém desta vez situado na Saga de Hades.

Referências

  1. ↑ Revista “Kappa Magazine”, 1999, número 80.
  2. ↑ Revista “Kappa Magazine”, 1999, número 80.
  3. Shurato’s Revolution. Página visitada em 19 de dezembro de 2008.
  4. “The Rise and Fall of Weekly Shōnen Jump” Comipress (2007). Página visitada em 19 de dezembro de 2008.
  5. O melhor anime segundo os japoneses Anime News Network (13 de Dezembro de 2006). Página visitada em 18 de dezembro de 2008.
  6. The 10th Anime Grand Prix Animage. Página visitada em 19 de maio de 2009.
  7. ↑ Revista “Cosmo Special”, Shonen Jump, 1986.
  8. ↑ Revista “Cosmo Special”, Shonen Jump, 1986.
  9. ↑ Revista “Cosmo Special”, Shonen Jump, 1986.

3 Respostas to “Cavaleiros do Zodíaco”

  1. lucas março 5, 2010 at 12:08 am #

    vces deveriam colocar mais figuras do que escrita

  2. eriton agosto 27, 2010 at 8:21 pm #

    gostei do que li aprendi um pouco mais do que eu sabis dos cavaleiros do zodiaco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: